21409373_sNa abordagem dos vários estudos realizados, o Marketing FutureCast Lab tem utilizado distintas metodologias nos diferentes modelos de investigação, com particular ênfase nos estudos etnográficos. De entre as metodologias utilizadas, destacam-se as seguintes:

  • DELPHI

    O método Delphi é uma técnica de comunicação estruturada, originalmente desenvolvido como um método de previsão sistemática e interactiva, e que conta com um painel de especialistas. Inicialmente, os peritos respondem a questionários em duas ou mais rodadas. Após cada rodada, o moderador fornece um resumo anónimo das previsões dos especialistas da rodada anterior, bem como as razões subjacentes aos seus juízos. Os especialistas são, então, encorajados a rever as suas respostas anteriores, à luz das respostas dos outros membros do seu painel.

  • CONSENSUS

    A abordagem Consensus consiste num conjunto de normas comuns para determinar a capacidade de uma situação vir a ocorrer, procurando reduzir grande parte da variação nos resultados da análise de necessidade a uma abordagem consensual. Quando aplicado consistentemente, este método serve para diminuir ou eliminar a resultados divergentes na abordagem de um assunto.

  • CROSS IMPACT ANALYSIS

    Análise de impactos cruzados é a designação geral dada a uma família de técnicas, concebidas para avaliar as mudanças na probabilidade de ocorrência de um determinado conjunto de eventos, na sequência da ocorrência de um deles. Este modelo foi introduzido como um meio de explicar as interacções entre um conjunto de previsões, determinando de que forma as relações entre eventos podem impactar os resultados finais e reduzir a incerteza no futuro.

  • ACTA – Anti Counter Trend Analysis

    Análise de contra tendências é um método de análise técnica, pelo qual o investigador assume uma posição contrária à direcção de mercado actual, antecipando uma mudança nessa direcção.

  • SHADOWING

    Shadowing, tal como o nome indicia, refere-se a um método etnográfico que consiste em seguir o indivíduo observado como uma sombra, sem que essa observação seja participativa. Este método permite ajudar a descobrir a realidade de que as pessoas realmente fazem – ao contrário do que eles dizem que fazem. Acompanhar um indivíduo numa viagem ou numa actividade permite entender rapidamente um contexto particular de compra, por exemplo.

  • IN SITU RESEARCH

    Este método etnográfico visa observar em primeira mão o estilo de vida (ou seja, no contexto, como ocorre) de um participante, com um detalhe que ele dificilmente seria capaz de expressar. Este tipo de investigação é extremamente útil quando é necessário compreender e observar como um produto, serviço ou marca está em sintonia com a vida diária, permite sondar os pensamentos de uma pessoa, frustrações, desejos e necessidades em tempo real.

  • MOCK ENVIRONMENT

    Mock significa uma imitação, algo simulado ou não-real. Um teste mock é um exame realizado em ambiente laboratorial, que não é o real, mas é realizado exactamente da mesma forma que o exame real, para conferir ao estudo o ambiente verdadeiro. Esta metodologia utiliza habitualmente técnicas projectivas, onde a questão é colocada não no respondente mas projectada num terceiro elemento.

  • THINK TANK

    Os grupos Think Tank ou fábricas de ideias têm como objectivo, a partir de contributos vários dos participantes, produzir ideias, análises e conselhos, com o objectivo de sustentar decisões bem informadas sobre o assunto em causa.

  • BRAIN MONITORING

    Trata-se de uma metodologia de natureza qualitativa, criada de raiz pela equipa Marketing FutureCast Lab, que visa identificar através de conversas individuais aprofundadas, o potencial de adesão de cada tendência em análise, através da opinião de peritos inquiridos. Estas opiniões são, depois, confrontadas em conjunto com outras tendências que possam impactar as tendências em estudo, visando gerar o consenso possível.

  • ONLINE GROUP DISCUSSIONS

    Nesta abordagem, o objectivo é o de reunir online, em vídeo-conferência, um painel significativo de experts sobre as tendências em análise que analisaram as mesmas sob os mais diversos prismas. Com a intervenção de um moderador, esta discussão permite abordar, de forma interactiva, perspectivas nem sempre presentes numa primeira análise.

  • JUDGEMENTAL FORECASTING

    Método de análise de séries temporais, com inputs de peritos no tema. É, normalmente, feito através de questionários online. A metodologia Judgemental Forecasting utiliza o instinto, juntamente com outros recursos, para prever o que pode acontecer. Vai além das técnicas puramente estatísticas e abrange aquilo que as pessoas acreditam que vai acontecer. É, de alguma forma, o reino da intuição.

  • ML2 – Missing Link Levels

    O método Missing Link Levels consiste na modelização e interpretação de factores estruturais inerentes a cada uma das temáticas analisadas. Visa complementar a metodologia Judgemental Forecasting, identificando a percepção dos inquiridos relativamente a variáveis explicativas e dependentes.

  • ETHNOGRAPHIC EPISODES

    Esta metodologia consiste no acompanhamento de grupos de consumidores no seu ambiente doméstico e nos pontos de venda, procurando identificar, através do seu comportamento, a consistência do padrão de compra e de consumo com os traços sugeridos nas tendências em análise.

  • ANÁLISE DE CENÁRIOS E SISTEMAS PERICIAIS

    Sistemas Periciais são aplicações informáticas que têm por objectivo resolver problemas complexos de forma idêntica à utilizada pelos peritos humanos. Nos sistemas periciais é simulado informaticamente um sistema que actue do mesmo modo que um perito ou especialista num determinado domínio específico.

  • CONSUMER PRICE LAB

    Para validação das tendências abordadas com esta metodologia, os participantes foram alvo de variadas técnicas de inquirição e de desenvolvimento projectivo, explorando racionais e os respectivos contraditórios das opiniões e projecções em causa. Os estímulos são apresentados em ambiente controlado e aplicados de forma individual, para evitar contaminações.

  • VISIONING; PREFERRED FUTURES

    Metodologia exploratória de natureza qualitativa, utilizada para prever cenários futuros. Baseia-se na hipótese de que a imagem que os indivíduos têm do futuro condiciona os comportamentos presentes, orienta escolhas e influencia decisões.

  • DYNAMIC MODELLING

    Modelagem dinâmica é a modelagem de processos ao longo do tempo. Na modelagem dinâmica, novos atributos são calculados em função de alterações de atributo ao longo do tempo.

  • BACKCASTING

    Processo de predição do futuro baseado na análise de tendências actuais. A partir da definição de um futuro ideal, olha-se para trás, na procura e identificação de políticas e programas que relacionem o futuro com o presente.

  • MEANS-END CHAIN

    A cadeia de meios-fins é uma ferramenta conceptual que permite a compreensão da forma como os consumidores percepcionam e valorizam os resultados da utilização e consumo de um produto, partindo de uma rede associativa construída entre atributos concretos e abstractos de um bem.

  • A.H.P – Analytic Hierarchy Process

    Técnica estruturada para lidar com decisões complexas. Disponibiliza um quadro abrangente e racional para a estruturação de um problema decisional, representando e quantificando os seus elementos, para avaliação de soluções alternativas.

  • ÁRVORES DECISIONAIS

    São ferramentas de apoio à decisão que utilizam um gráfico de árvore ou um modelo de decisões e suas possíveis consequências, incluindo probabilidades de ocorrência, custos, resultados, utilidade e outros outputs adequados à situação em estudo.

  • FUTURECAST MEASUREMENT INDEX

    Adaptação de técnicas prospectivas e de análise de dados que permitem criar um índice personalizado com a chancela do Marketing FutureCast Lab.

  • CAUSAL LAYERED ANALYSIS

    Abordagem de cenários futuros perspectivados em camadas, interpretadas segundo perspectivas que vão desde a análise informal da informação corrente até interpretações especializadas. Esta metodologia disseca os fenómenos do presente e do passado para a criação de alternativas futuras.